segunda-feira, 8 de junho de 2009

Eleições europeias - a derrota da arrogância

Durante quatro anos, o PS, Sócrates e seus clones humilharam e desprezaram as pessoas, esqueceram os direitos das pessoas; fizeram da arrogância a bandeira da determinação obtusa, surda e cega, contra tudo e contra todos. Enrolaram-se em propaganda balofa. Na campanha, encheram salas com bandeiras dos apaniguados, com palavras ocas e sem sentido, desprezaram os adversários. Os jornalistas acompanhavam a campanha dos outros partidos, e treminavam as reportagens quase sempre com uma graçola, sem isenção, ao serviço de... Os jornalistas não leram os sinais, ( não souberam ou não quiseram) inebriados pelas aparências ( pelas determinações superiores???), pelas sondagens (fabricadas???), pela arte da manipulação.
Ontem, a arrogância perdeu.
Sócrates diz que vai continuar as políticas com determinação. Ainda bem. Em Outubro, a queda do "menino de ouro" será mais estrondosa ainda! Os jornalistas, perante as evidências, ficaram transtornados, teimavam, ao final da noite, como último recurso de esperança rosada, impingir uma sondagem para as legislativas, em que o PS ganhava de novo. E, mesmo depois de comentada tal sondagem, repetia-se, insistentemente, a pergunta num desespero, em figuras tristes. Nem a resposta de António Barreto, dizendo que tal sondagem era inútil naquele momento, pois os dados tinham mudado, os calou. E queriam a todo o custo levantar o PS, caído no chão.
Miguel de Sousa Tavares parecia um menino mimado a quem tinham trocado os brinquedos na caixa. Ele também não soube nem quis ler os sinais.
Ninguém viu os trabalhadores na rua, ninguém viu os agricultores, os enfermeiros, os professores na rua, ninguém os levou a sério, bando de ingratos, manipulados por forças ocultas. Ninguém leu os sinais , não quiseram ou não souberam. Em tempos , não se liam jornais, agora , apesar do choque tecnológico, anunciado com pompa e circunstância, não se lêem blogues. OU se os lêem, é para lançarem alfinetadas e os desprezarem... a resposta das pessoas está aí, a determinação não é coragem, é cegueira e teimosia irresponsável.

1 comentário:

NP disse...

Ainda se ouve o estrondo da queda; mas há quem ache que o ruído foi lá longe... foi o ribombar de um trovão... lá longe... "não foi aqui"... e em Setembro/Outubro o sol vai estar a brilhar...

Oh, doce ilusão... :)