quarta-feira, 29 de outubro de 2008

POEMA DA MENTE

Há um primeiro-ministro que mente,

Mente de corpo e alma, completa/mente.

E mente de maneira tão pungente

Que a gente acha que ele, mente sincera/mente,

Mas que mente, sobretudo, impune/mente...

Indecente/mente.

E mente tão nacional/mente,

Que acha que mentindo história afora,

Nos vai enganar eterna/mente.

via forum-cidadania, a quem chegou por e-mail

1 comentário:

Carminda Pinho disse...

Renda, lembrei-me agora desta quadra popular, que é tão antiga...:)))


coitado do mentiroso,
mente uma vez mente sempre,
ainda que fale verdade,
todos lhe dizem que mente.

Beijos