segunda-feira, 18 de maio de 2009

Controlo (quase) total, em nome da liberdade


Abro o jornal Público e acordo logo, mesmo antes do cafezinho da praxe:


Ambiente destruiu dossiers sobre caso de corrupção da Cova da Beira


Conveniente, não?


Ao lado desta, outra notícia de aregalar os olhos:


Para combater crimes


Tráfego de e-mails vai ser guardado


Notícia para ler nas páginas 2 e 3
Assim que sair a portaria toda a informação de tráfego - local, identificação da ligação do emissor e receptor, hora - das chamadas via inetrnet e do correio electrónico vai ser guardada durante um ano.
Só falta Estado e operadoras chegarem a acordo.


Na página 3, José Vítor Malheiros pergunta


"...se não seria melhor considerarem desde já que somos todos terroristas à la Bush e meterem-nos desde já na cadeia..."


E diz a certa altura"... quando uma nação considera a liberdade como secundária, é certo e sabido que perderá a liberdade... e depois todo o resto."


Ninguém sente um arrepio na espinha?

Sem comentários: