segunda-feira, 27 de abril de 2009

O que faz falta

Hoje em dia quando me arrepio é porque estou na praia a torrar ao sol e me atiram água fria ou, quanto muito, porque estou a jantar e apanho uma corrente que vem por trás e... brrrrr, poem-me de pêlos em pé. E a esta distância, que é apenas a que nos separa dos nossos pais, já nao compreendo muito bem o que é arrepiar-me de medo porque fui apanhada com mais quatro amigos a conversar à noite numa praça da minha cidade, ou ser interrogada porque podia estar a falar sobre política. Eu nem ligo muito a isso. Talvez muitas vezes seja o problema. Hoje damos por certo o que o mundo nos ensinou, através de toda a sua história, que às vezes a vida dá voltas. Pensamos que o mais próximo que possamos estar de uma revoluçao é o nosso iPod a tocar Zeca Afonso ou um bando de professores a gritarem a plenos pulmoes por uma educaçao melhor, em que o único benefício que vejo é o facto de nao ir ter aulas. A força que temos é o conhecimento, a divulgaçao, a lembrança. E o que faz falta é lembrar a malta, porque nos dias de hoje andam todos estremunhados a brincarem à remela escondida.

Lembrem-se, porque podem, e antes que outros vos façam esquecer.

H. M.
( via mail, De Barcelona, )

Sem comentários: