sexta-feira, 12 de março de 2010

Professor suicida-se cansado da indisciplina dos alunos

Este título correu por todos os jornais e telejornais. Ninguém se arrepiou? NInguém pára para reflectir sobte um acto destes, sobre as causas que levaram a um acto destes?

Um professor deixa escrito

'Se o meu destino é sofrer, dando aulas a alunos que não me respeitam e me põem fora de mim, não tendo outras fontes de rendimento, a única solução apaziguadora será o suicídio', (lê-se numa das notas do seu diário.in Correio da Manhã)

e ninguém se revolta? Surgem logo professores, pais e alunos a desculpar os alunos? Indignados? Onde estavam , quando o professor fazia as participações? Que palavras de apoio lhe dirigiram? Ou cochichavam pelos cantos, contando os problemas psicológicos?

Um professor deixa escrito

'Se o meu destino é sofrer, dando aulas a alunos que não me respeitam e me põem fora de mim, não tendo outras fontes de rendimento, a única solução apaziguadora será o suicídio'

e já todos fogem ds responsabilidades?

E já todos arranjam desculpas de mau pagador: os professores, indignados, que o colega era psicologicamente frágil ( e se somos fortes, temos que aceitar o desrespeito frequente de alguns alunos?); os alunos, indignados, que nem pensar , eles são uns santinhos, uns exemplos; os pais, indignados, que os filhos deles, nem pensar, são uns anjos...

Um professor deixa escrito

'Se o meu destino é sofrer, dando aulas a alunos que não me respeitam e me põem fora de mim, não tendo outras fontes de rendimento, a única solução apaziguadora será o suicídio'.

São as palavras mais tristes que um professor podia escrever... de tão doídas e solitárias...

2 comentários:

bell disse...

Notícias como esta entristecem-me e revoltam-me. Era um professor com anos de serviço, com competência reconhecida e foi ignorado. Nem consigo imaginar a violência emocional a que esteve sujeito para chegar a este ponto.

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Hoje é só para lhe dizer que tenho nova postagem no meu blog

a desvendar o mistério do blá blá blá

do esperanto... (?)

Cumprimentos meus