domingo, 16 de novembro de 2008

António Barreto in Pùblico de 16 de Novembronde 2008



Embora o seu discurso não pareça muito coerente... também é dos que pensam que os professores durante trinta e tal ( durante 100?) anos nunca trabalharam... mas , apesar disso " escreve "Os jornais já publicaram mil pormenores sobre o sistema de avaliação, dos formulários às regras e procedimentos. O esc+arnio é constante. A ministra queixa-se de que o seu sábio sistema foi ridicularizado! É verdade. Mas não merece menos que isso . Além de absurdo e inútil, este exercício parece uma punição, a fazer lembrar os castigos infligidos, por praxe sádica ou despostismo, nas forças armadas de muitos países. Não é só este sistema que está errado: é o princípio mesmo de uma avaliação centralizada, de âmbito nacional e uniforme.
A avaliação ministerial, burocrática, formal e pseudiocientífica é um enorme erro."

1 comentário:

Carminda Pinho disse...

"Não tenho dúvidas de que a maior parte daqueles professores que vai para a rua votou no PS! Não estou a dizer todos, mas uma grande parte. E, com certeza, muitos deles já não voltarão a votar. Vi muitos deles a chorar, recebi muitas mensagens e muitos apelos, conheço alguns daqueles professores e sei aquilo que estão a passar neste momento. O que gostava é que houvesse uma maneira de o primeiro-ministro perceber em que é que este modelo está errado! Porque em política ele tem uma virtude, que é a determinação. Mas a determinação tem o seu contrário, que é transformar-se me teimosia. E a teimosia leva à cegueira e à surdez. E então, aí, é fatal. É fatal!"

Este é um excerto da entrevista que Manuel Alegre concedeu hoje, à TSF e DN, e há mais...vale a pena ler.

Beijos, Renda.