terça-feira, 11 de março de 2008

Faça como eu: não volte a comprar o Correio da Manhã

Ramiro Marques escreveu no seu blogue http://www.ramiromarques.blogspot.com/
“1. Certamente tiveram oportunidade de ler um texto publicado no “Correia da Manhã” neste sábado da autoria de Emídio Rangel.Por me conter, digo apenas que é um texto ofensivo da dignidade de todos os professores.O artigo pode ser lido no link que se segue:http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=280968&idselect=93&idCanal=93&p=2002. Os professores são 143.000 e cerca de 80% lêem E COMPRAM jornais. Aliás, os meios de comunicação escrita susbsistem em grande parte graças aos professores. Somos cerca de 114.400 compradores e muitos optavam pelo “Correio da Manhã”.
Faça como eu: não volte a comprar o Correio da Manhã.”
( o texto continua).

3 comentários:

bell disse...

Não li nem um, nem outro. Mas até que ponto o jornal é responsável pela opinião dos seus comentadores?

Carminda Pinho disse...

Renda,
Eu não compro nem leio o CM., mas a crónica desse parvalhão poderia ter vindo noutro jornal qualquer, pois os jornais andam todos muito parecidos nesse aspecto. É pra ver quem vende mais...
De qualquer modo o artigo foi logo colocado na net.:)

Beijos

jcosta disse...

O Jornal não é responsável pela opinião dos seus comentadores e ainda bem que assim é. De qualquer modo a linha editorial deveria nortear os seus colaboradores para práticas de exercício de opinião nem ofensivas nem refinadamente mentirosas. Não é por acaso que o "Correio da Manha", mesmo sem til, vivendo do sensacionalismo, não considerou sensacional 100.000 mil profs em Lisboa e, por isso, no "day after" não reservou qualquer espaço para uma imagem ou notícia de destaque. Não olho para os jornais de modo inocente e, de uma boa parte, conheço-lhes as "manhas" e por lá ficam esquecidos no sítio onde se vendem.
De qualquer modo na "Educação do meu Umbigo" em "O luto do Governo", escrevi umas linhas mais densas sobre o Emídio e os Amigos. Pior que isso pode ser a espécie de acordo da Fenprof com o Pedreira. Isso sim, preocupa-me.