domingo, 9 de março de 2008

Marcha da Indignação


Ontem comovi-me:

- quando , na viagem, pensámos que , como nós, muitos mais , nem sabíamos nós quantos, se dirigiam para o mesmo lugar com espírito igual;

- quando cheguei e vi aquele mar de gente como eu que, depois, "marchou" horas e horas;

- quando encontrei os colegas da Escola, (depois de termos ficado sem rede de telemóvel e sem possiblidade de comunicar) e, por puro acaso, os colegas que não via há muito tempo;

- quando vi um colega aposentado de oitenta e quatro anos a caminhar ao nosso lado sem vacilar;

- quando vi o cartaz de um avô que dizia " tenho três netos, confio nos professores, não confio nos políticos;

- quando anoitecia e a marcha continuava , ao princípio da noite, sem parar...

( Também foi por ti, Zé Costa, com a nossa saudade!!!)

Não me comovi nada:

- quando a Ministra da Educação achou que a insatisfação de mil era equivalente a 25000 ou 50000 ( foram muitos mais... senhora!!!) e que tinha que encontrra soluções - parecia que estava a falar com ela própria;

- Quando a mesma Ministra achou era preciso " contornar" os obstáculos... não disse dialogar, não disse, reflectir, não disse, ... disse contornar... ainda bem que não disse derrubar...

1 comentário:

bell disse...

Éramos tantos, tantos, tantos... Quem sabe se nos cruzámos lá...